Adicionar a Favoritos
.
Notícias Seringueira: irrigação por gotejamento antecipa sangria em até 2 anos
Seringueira: irrigação por gotejamento antecipa sangria em até 2 anos PDF Imprimir E-mail
Qui, 01 de Dezembro de 2011 14:57

seringueira2Produtores de São Paulo e de Goiás já estão conseguindo antecipar a sangria dos seus seringais, em até dois anos. Isto é possível com o uso da tecnologia de irrigação por gotejamento na implantação da cultura da seringueira, cuja adoção foi incentivada há cerca de quatro anos por pesquisadores do Pólo Alta Mogiana/APTA Regional, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA), em parceria com produtores. 

O propósito deste trabalho era o de antecipar o início da sangria e acelerar o retorno do investimento, por meio de eventos de capacitação como palestras, cursos e dias de campo, diz a pesquisadora Elaine Cristine Piffer Gonçalves. “Nas nossas condições, os seringais entram em sangria com cerca de sete anos, quando a árvore atinge 45 cm de perímetro de tronco para 1,20 m de altura e 6 mm de casca. Em plantios irrigados, as árvores conseguem atingir estes valores aos cinco anos, enfatizando a importância desta nova tecnologia.” 

Neste período, foram instalados experimentos em propriedades particulares, como Fazenda Córrego do Ouro, em Pontes Gestal (SP), e fazenda do grupo Moraes Ferrari, no município goiano de Nova Crixás, além do próprio Polo Regional Alta Mogiana, em parceria com a empresa Netafim e com a UNESP-Jaboticabal. Em Nova Crixás (GO), por exemplo, 50% das árvores do seringal já foram colocados em sangria com 4,5 anos e 80% com 5,5 anos, conta Elaine. 

O uso desta tecnologia, além de garantir água suficiente para o desenvolvimento pleno das plantas e a homogeneidade do plantio, permite o parcelamento das adubações (quinzenais e/ou mensais), explica Elaine. “Isto faz com que ocorra maior aproveitamento por parte das plantas, economia de mão de obra e antecipação do processo de extração do látex. Os resultados preliminares dos experimentos realizados e daqueles em andamento no Polo Regional permitem inferir que a irrigação garante homogeneidade e diminui a porcentagem de perdas (de 8 a 10% no plantio normal para 1% no irrigado) das mudas de seringueira.” 

Além de Elaine, atua no projeto o pesquisador José Fernando Canuto Benesi, bem como pesquisadores da área de fitotecnia (vegetal). 

Competição de clones  

De acordo com a pesquisadora do Polo Alta Mogiana, está em fase de instalação, na Fazenda Cônego do Ouro (Pontes Gestal), experimento inédito com a finalidade de promover a competição entre clones nacionais (série IAC) e internacionais (originários de Índia, Malásia, Indonésia etc.), em parceria com o Instituto Agronômico (IAC-APTA) e o Viveiro Citrosol. Hoje, 80% dos seringais de São Paulo e do Brasil são baseados em plantios de um único clone (RRIM 600), explica a pesquisadora. “Se aparecer nova praga ou doença, e este clone não for suscetível, a cultura será comprometida.” 

O objetivo do projeto é ajudar futuramente na recomendação regionalizada de clones para o Estado, informa Elaine. “Este trabalho vem sendo feito há muitos anos pelo IAC, a fim de reduzir possíveis problemas fitossanitários e de alcançar maiores produtividades, em consonância com as características regionais e com os sistemas de produção e manejo adotados. Temos de considerar que o programa de melhoramento genético da seringueira é demorado – o horizonte é de 15 anos, no mínimo.” 

Cultura intercalar e consórcio 

No Polo Centro Norte/APTA Regional/SAA, o carro-chefe das pesquisas em seringueiras é o melhoramento genético, conduzido em parceria com o IAC, que se constitui de avaliação e criação de clones de seringueira. Fruto deste trabalho é o lançamento nos últimos anos de 14 clones, que são classificados em classes II e IIIA, de acordo com avaliações que provaram o seu mérito ao longo do tempo. 

Os clones da classe II (plantio em escala moderada) podem ocupar mais de 50% da área total de plantio da propriedade, enquanto os da classe IIIA (plantio em escala experimental) são recomendados para até 15% da área total, de acordo com o pesquisador Antonio Lucio Mello Martins. "Assim, pretende-se estimular a diversificação dos clones utilizados pelos agricultores de maneira a minimizar os perigos do uso de pouca variabilidade genética." 

Mas já está sendo recomendada a adoção de alternativas de culturas intercaladas ou de consórcios, diz Antonio Lúcio. "Como a seringueira leva tempo para dar retorno, o produtor pode utilizar cultura intercalar para gerar renda até a seringueira produzir. Isto é possível até o quarto ano, antes de se criar sombreamento (fechamento da copa)." 

A diferença entre as duas técnicas é que a cultura intercalar (milho, amendoim, soja, mandioca etc.) produz temporariamente até a seringueira entrar em produção. Já no consórcio com seringueira a produção da outra cultura (urucum, café, limão etc.) estende-se por um período mais longo, até terminar a sua vida útil. Mas cresce a procura por plantas que suportam o sombreamento, conta Antonio Lucio. Já tem produtor utilizando palmeira juçara para explorar o fruto (fazer polpa). 

A íntegra do artigo está disponível em: www.apta.sp.gov.br

Texto: José Venâncio de Resende 

INFORMAÇÕES

Assessoria de Comunicação da Secretaria
Marina Mantovani/Adriana Rota/Nara Guimarães
Tel.: (11) 5067-0069 

Assessoria de Comunicação da Apta
José Venâncio de Resende
Camila Amorim/Eliane Christina da Silva (estagiárias)
Tel.: (11) 5067-0424

 

links relacionados

Material de Estudo

Pós Graduação
Pós-Graduação em  Aquicultura e Pesca
O Programa de Pós-graduação em Aquicultura e Pesca do Instituto de Pesca  (vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo) tem o objetivo de capacitar, atualizar...
Perguntas Frequentes - Em caso de dúvida, certifique-se de que ela não está respondida aqui.
Banner
Banner

Desenvolvido pela TI Admin
Copyright © 2014. AgriculturaSP. Designed by Shape5.com
r57wallpaperswallpapers