Câmara Setorial de Fungicultura realiza reunião com produtores de cogumelos

Postado em: 07/07/2016 ás 8:53 | Por: Leonardo

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio da Câmara Setorial de Fungicultura, reuniu a cadeia produtiva de cogumelos, em Campinas (foto: Assessoria de comunicação do IAC/SAA)A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio da Câmara Setorial de Fungicultura, reuniu a cadeia produtiva de cogumelos, em Campinas, no dia 6 de junho de 2016, para discutir políticas públicas voltadas ao setor. No evento foi apresentado um panorama sobre a produção paulista de cogumelos e também abordado a montagem de uma agenda estratégica e a discussão sobre as linhas de crédito para a fungicultura e a importação de cogumelos.

O evento contou com a participação de 120 pessoas. De acordo com o coordenador das Câmaras Setoriais, Alberto Amorim, o grupo debateu ações direcionadas ao setor. “A Câmara abriu espaço para ouvir a demanda dos produtores e, por meio disso, propor ações que alavanquem o setor”, disse.

Durante a reunião, o coordenador da Câmara Setorial destacou que a produção de cogumelos tem crescido nos últimos anos devido ao consumo cada vez maior da população.

Amorim, afirmou que 93 municípios paulistas produzem cogumelos. “São Paulo é responsável por uma das maiores colônias orientais no Brasil, e muitos destes imigrantes, em grande parte agricultores familiares, são produtores de cogumelos. A importância do setor hoje é maior do que antigamente, quando não havia muita produção”, comentou Amorim.

Por conta a importância do setor para o agronegócio paulista, o secretário-executivo do Fundo Paulista de Expansão dos Agronegócios (Feap), Fernando Aluizio Pontes de Oliveira Penteado, destacou que os fungicultores podem aderir a linha de financiamento de Agricultura em Ambiente protegido. “É a linha que mais se adequa ao setor, pois ela direciona para a implantação e modernização de reformas de estufas agrícolas e sistemas de produção em ambiente protegido, inclusive destinados à fungicultura”, comentou.

O produtor, seja ele Pessoa Física ou Jurídica, poderá adquirir uma linha de crédito de até R$ 200 mil, e terá até seis anos para pagar, com carência de dois anos.

A fungicultura no Estado de São Paulo

A proposta para a criação   da Câmara Setorial foi feita pelos produtores e entidades em visitas técnicas do secretário da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, às regiões produtoras.  “Com a implementação da Câmara, o Governo doEstado de São Paulo se aproxima do setor no intuito de apoiá-lo, desenvolvendo políticas públicas para que a produção, em grande parte de agriculturafamiliar, seja estimulada e alavancada, como sempre nos orienta o governador Geraldo Alckmin”, ressaltou Arnaldo Jardim.

De acordo com o Censo Paulista de Produção de Cogumelos Comestíveis e Medicinais da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), existem 505produtores de cogumelo com produção de 12.745 toneladas, aproximadamente.

O censo mostrou que a produção mensal dos fungicultores varia de 80 quilos a 60 toneladas. O trabalho foi desenvolvido em conjunto com a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati) e duas empresas relacionadas à fungicultura. A Câmara foi criada com auxílio das informações obtidas no censo.

O pesquisador do Polo Regional de Monte Alegre do Sul da APTA, Daniel Gomes, informou que a estimativa de renda líquida dos produtores varia de R$ 6 mil a R$ 18 mil, de acordo com o preço médio do Champignon de Paris, no ano de 2015, que era cerca de R$ 12, o quilo. Ainda levando em conta a produção deste cogumelo, notou-se que, anteriormente, era destinada à produção em conserva e agora, 52% dos produtores cultivam este cogumelo quase que exclusivamente para consumo in natura.

A fungicultura é o cultivo de cogumelos e vem ganhando cada vez mais espaço na produção paulista. Na produção de outros gêneros de cogumelos, encontram-se 25% dos produtores produzindo cogumelos do gêneroPleurotus ou, como é conhecido no Brasil, por Shimeji.

Osprodutores que cultivam Shiitake, ou Lentinula edodes , representam 16%, os que produzem Agaricus blazei , que é o cogumelo fitoterápico de origembrasileira, representam 3% e 4% declararam produzirGanoderma lucidum , Hering ( Pleurotus eryingii ), Nameko ( Pholiota nameko ),Enoki ( Flammulina velutipes ), entreoutros gêneros.

Padronização

Os produtores solicitam estudos para padronização de um sistema de classificação, permitindo o monitoramento do mercado seus preços e suas ofertas, o que deve valorizar os produtos de melhor qualidade, na opinião dos produtores.

Por Mônica Galdino

Assessoria de Comunicação do IAC

Galeria do Flickr

Nenhuma imagem disponível.

Galeria do Site

Nenhum áudio disponível.

Informações:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo
(11)5067-0069

Acompanhe a Secretaria: